2 de setembro de 2013

EM CUITÉ MULHER RESPONDERÁ CRIMINALMENTE APÓS FORJAR SAIDINHA DE BANCO

Uma mulher forjou um assalto do tipo ‘saidinha de banco’ no início da tarde desta segunda-feira (02), por volta das 12h40, quando a mesma tinha acabado de sair do Banco do Brasil de Cuité, Curimataú paraibano.


Logo após o delito, Janaina Estevão, 27 anos, que é moradora da cidade de Nova Floresta, prestou queixa na Delegacia de Cuité. A mesma ainda fingiu passar mal e foi socorrida para o Hospital da cidade pelo Delegado Durval Barros.

Em entrevista a 89 FM, Rádio Cidade de Cuité, a suposta vítima informou como tudo aconteceu.

- Quando saí do banco passou dois homens numa Pop, me ‘fecharam’ subindo a calçada e disseram passa, passa é uma assalto. Eu fiquei parada sem fazer nada e eles levaram o envelope.

A mulher ainda informou os trajes dos assaltantes.

- Eles estavam com capacetes pretos e blusa preta com um ‘nomezinho’ que eu não lembro mais.

Diante do fato, o Delegado juntamente com os policiais militares do 9º BPM deu início a um trabalho de investigação e buscas dos acusados, porém ao consultar as contas bancárias da, até então vítima, descobriram que o valor ao invés de ser sacado foi transferido de uma conta para outra.

De acordo como Delegado Durval Barros, o valor, que não foi revelado, seria para pagar uma dívida de um veículo comprado na vizinha cidade de Nova Floresta e o valor teria sido depositado por dois cunhados que moram no Sul do País.

A farsa foi desmascarada ao vivo no Informativo da Cidade, da 89 FM, pelo próprio Dr. Barros, logo após a reportagem em que a, agora acusada, relatava, em tom de pânico, o crime. Segundo a autoridade policial, a mesma responderá criminalmente.

“Vai responder criminalmente, porque ela prestou uma queixa na Delegacia, foi uma falsa declaração”, declarou o Delegado.

Um grande efetivo policial foi acionado para realizar rondas pela cidade em busca dos bandidos, no entanto, graças a um bom trabalho de investigação da Polícia Civil, foi possível descobrir essa grande farsa.

Flávio Fernandes.

Arquivo do blog