25 de novembro de 2012

Ivanildo Vila Nova e Raimundo Caetano no Museu de Cuité


A baixo alguns pequenos versos que fiz sobre a cantoria de ontem (24/11/2012) no Museu do Homem do Curimataú com uma das melhores duplas de todos os tempos: Ivanildo Vila Nova e Raimundo Caetano.

Lembro a todos que Raimundo é Cuiteense e veio ajudar no resgate dessa arte em nossa região.

Repente no Museu

 O museu foi espaço
 Da arte do improviso
 Mãe, menino e marido
 Ali se aconhegou
 Nas fotos vocês vão ver
 Muita gente apareceu
 Quem tá dizendo sou eu
 Veio pobre, rico e doutor

  Zé de Luzia, seu Martinho
 Zito, Júnior de Moca
 Até Valdo da pipoca
 Tava ali e se animou
 Célio e Márcio Fialho
 Bila de Nova Floresta
 Foi uma grande festa
 Da arte do cantador

  Flávio Dantas também veio
 Das bandas de jaçanã
 Medeirão sempre fã
 É claro que não faltou
 Junquinha, Derivan
 Titico e José Raimundo  
 Veio quase todo mundo
 De poeta a cantador 

  Alcides, não posso esquecer
 Grande artista da cidade
 Gente da Universidade
 Ali esteve presente
 Pra ver essa a arte do povo
 Que não aprende na escola
Que corre Brasil afora
No desafio do repente

Desculpe que esqueci
Pois poeta eu não sou
Quem na cabeça passou
Aqui eu registrei
gastei quase uma hora 
Nesses versos que aqui faço
Apago, volto, refaço
Pingos de arte mostrei

Ivanildo Vila Nova
Raimundo Caetano
Entraria pelo cano
Se duelasse com eles 
O povo ia se “bora”
O som se acabava
Enquanto só pensava
Servia prá chacota deles

A Flavio Fonseca Obrigado
Também a Minervina 
Uma pessoa divina
Que gosta de cantoria
A Tota da segurança
André Santos que gravou
Todo povo que ali passou
Meu obrigado, “té” outro dia

 Israel Araújo


Arquivo do blog