15 de outubro de 2011

15 de outubro DIA DO PROFESSOR


O professor costumava levar os livros e cadernos bem rente ao peito, num gesto de caminhar quase apressado. Parecia formal, com aquela expressão séria, quase grave.

Mas esse era só o começo. 

Aos poucos, era possível captar uma ternura quase tímida que vinha por detrás dos óculos e nos atravessava com um olhar agudo de interesse e respeito. Nesse elo de súbita confiança, iniciava-se aquele processo cheio de sutilezas, de ritmos delicados, de turbulências inquietantes, que é a transmissão de conhecimento.

Não se levam mais maçãs para o professor como antigamente e no cotidiano da escola, tudo se passa como se as flores de gratidão tivessem ficado meio fora de moda. É que a gratidão se apresenta em singularidades avessas a estereótipos, pois a melhor homenagem se faz visível nas marcas de seu ensino, que lançam o aprendiz na árdua aventura da conquista de seu próprio estilo, expresso em frutos tão peculiares, que sua filiação fica quase irreconhecível.

O professor brasileiro não é um super-herói, mas um herói cotidiano que, apesar, de ter perdido o prestígio social que lhe é devido, não abandonou a esperança e o ideal de um mundo melhor.

Loffredo


Arquivo do blog