2 de agosto de 2011

O Papel da Comunidade na Difusão das Manifestações Culturais

O Papel da Comunidade na Difusão das Manifestaçõe Culturais levando-se em conta: A participação da comunidade nas políticas, nos projetos e nas manifestações culturais e o exemplo do Overmundo.

Assim como no Overmundo, (virtualmente) nos coletivos culturais “presenciais”, são as pessoas que fazem a cultura, re criam, inventam, articulam e “se viram” para manter a rotina, o registro e a divulgação das suas ações culturais, de forma muitas vezes improvisada, porém extremamente criativa e colaborativa.



Historicamente as comunidades tradicionais e coletivos culturais sempre se organizam na tentativa de preservar e promover seu patrimônio artístico, histórico, ambiental e cultural.

Na atualidade, esse “olhar” da comunidade busca também incluir os meios para garantir à sustentabilidade da economia criativa local e dos grupos artísticos tradicionais, usando a criatividade aliada às tecnologias de informação e de comunicação, as tecnologias sociais e a colaboração solidária. Mais ainda existem muitas dificuldades para divulgar suas ações fora da comunidade local, no entanto, faz-se necessária uma real participação desses grupos na elaboração e implementação de políticas públicas de cultura, a exemplo da capacitação e formação na ampla e transversal cultura.
 

Cabe a nós cidadãos o acompanhamento das políticas públicas e dos projetos, desde sua elaboração até a avaliação, bem como acompanhar as atividades desenvolvidas por nossas manifestações culturais, além de garantir a organização permanente das instâncias consultivas de participação direta com os conselhos setoriais representativos dos diversos segmentos artísticos e culturais, participando do controle social na execução dos projetos públicos, ocupando espaços de direito e de decisão. Essa participação da comunidade nas políticas, nos projetos e nas manifestações culturais é sem sombra de dúvida imprescindível.

 

 

 

 



O exemplo do site do Overmundo nos remete ao exercício da discussão permanente da participação efetiva da comunidade em todas as instâncias e setores culturais, afinal, a responsabilidade não é só do Estado, mas de todos nós que somos responsáveis pelo nosso patrimônio cultural.

Por: Jeancarlo de Lima Sousa em resposta a atividade II do Curso de Gestão e Política Cultural - FGV e MINC.
Avaliação do Meu Tutor do Curso de Gestão e Política Cultural:



Fonte:http://jeangalego.blogspot.com/

Arquivo do blog