1 de agosto de 2011

Coluna Maria Verônica Gomes PRECONCEITO MODERNO E CIVILIZADO'




PRECONCEITO MODERNO E CIVILIZADO

            Ao longo de sua peregrinação histórica o homem evolui como ser intelectual, construtor de novos espaço, dominador de povos e detentor da razão. Desse modo, ascende como ser superior a qualquer outra espécie existente na terra.
            O homem contemporâneo mostra-se “moderno e civilizado”; evolui constantemente. São surpreendentes os feitos da sociedade humana, grande maioria buscam praticidade e qualidade de vida.
Mesmo com tanta eficiência e desenvolvimento, o homem guarda algumas características de seres irracionais. Existe um forte jogo de antíteses na história da humanidade: a revolução técnica-científica-informacional se contrasta com o período de retrocesso de sua convivência. Estamos no momento da intolerância, da não aceitação ao outro, do desrespeito e da agressão física e moral.
O preconceito mostra-se como obstáculo ao desenvolvimento e aos relacionamentos da humanidade.  As conquistas aos direitos por parte de diversos grupos que sempre foram tidos como desprezíveis, mas que nunca se conformaram e lutaram por seu espaço, gera um sentimento de inconformismo em uma parcela social retrógrada e preconceituosa.
Ser afrodescendente, homossexual, deficiente físico, desprovido de recursos financeiros, indígena ou mesmo nordestino no Brasil é sinônimo de inferioridade. É como se todas as mazelas fossem causadas simplesmente pelo fato de existir.    
É vergonhoso e inaceitável a dimensão e força de ações e discursos de grupos (muito bem organizados, para exterminar o “mal que estraga a sociedade”) com aversão às diferenças ainda existentes em nosso país.
E o homem tão moderno, extremamente racional, não consegue distinguir a diferença entre ter direito à opinião e à expressão com a falta de respeito ao próximo e suas ações “animais”.
A aversão e não aceitação é que realmente causa muitas moléstias e atrasos para nossa sociedade. O fato de não aceitar o modo de vida, a opção sexual ou etnia de outra pessoa não dá o direito de tentar contra integridade física e moral dela. Na verdade, sentir o preconceito é indiscutível; não saber lidar e controlar este sentimento é uma doença séria que necessita de tratamento. 
É essencial que não abordemos atos preconceituosos como situações banais, pois, ainda é algo muito forte que precisa ser discutido e combatido. Se não podemos alcançar uma mudança mundial, podemos então atingir num raio menor com as pessoas que convivemos diariamente, como nossos familiares, amigos, colegas de trabalho, etc. Fingir que nada está acontecendo ou que este problema não lhe atinge é uma posição egocêntrica, não é possível saber se em algum momento ocupará o lugar de vítima.

                         

Arquivo do blog